Fusca vale R$ 1,8 milhão. Saiba por quê

0

Um Volkswagen Fusca de 1939 é uma joia em pleno 2021. O modelo pré-série com chassi é um dos mais antigos do mundo e teve o motor desenvolvido por ninguém menos que Ferdinand Porsche, fundador da marca que leva seu sobrenome. 100% recuperado (veja no vídeo abaixo), hoje o veículo está avaliado em 300 mil euros, cerca de R$ 1,8 milhão

Para chegar onde está, no entanto, o “fusquinha” passou por vários bocados. A história começa em 22 de junho de 1934, quando a Associação Nacional da Indústria Automobilística Alemã assinou com o protocolo para a criação e desenvolvimento do “Volkswagen”, nome original do modelo, com Ferdinand Porsche.

Os primeiros protótipos ganharam forma a partir de 1938, mas o Fusca restaurado em questão é datado de 1939 e foi produzido artesanalmente pelo próprio Ferdinand para demonstrações de performance a jornalistas. Para você entender o quão raro o veículo com chassi 1-0003 é, só se tem notícias de três Fuscas anteriores a este, todos da série de protótipos VW38: dois pertencem à Volkswagen e um está nas mãos de um colecionador.

De acordo com o Protoype Automuseum, museu alemão de automóveis responsável pela restauração, o motor traseiro Tipo 64 com desempenho aprimorado produzia, na época, 32 cv em vez dos habituais 23,5 cv. O exemplar veículo ainda alcançou 145 km/h, um marco surpreendente para 82 anos atrás.

O Fusca 1939 nos Alpes sendo dirigido pelo Ferdinand Porsche. Imagem: Reprodução/Prototyp Automuseum

Contudo, o carro passou anos guardado a sete chaves em um galpão. Após sobreviver à Segunda Guerra Mundial – algo que o deixa ainda mais raro -, o veículo foi encontrado em 1948, sem motor, pela família Raffay, dona de uma das primeiras concessionárias Volkswagen da Alemanha. 

A partir daí, o “beetle” foi mantido na coleção particular dos Raffay, na cidade de Hamburgo, em aparente segurança e longe dos olhos do público por mais de 50 anos. Em 2011, todavia, o Fusca 1939 achado novamente, mas não nas melhores circunstâncias. Isso, porque, um incêndio devastou o grande acervo da família. Entre os automóveis destruídos pelas chamas, inclusive, havia também um raríssimo Lohner-Porsche, carro híbrido (a gasolina/elétrico) construído por Ferdinand, em 1901.

O Fusca foi completamente consumido pelas chamas e praticamente destruído. Mas, venhamos e convenhamos: se o veículo sobreviveu a uma guerra, não seria um incêndio que colocaria um ponto final em sua existência. O que sobrou do carro foi enviado diretamente ao Prototyp Automuseum, que assumiu, então, o desafio de restaurá-lo.

O trabalho não foi fácil. Segundo o museu, vários anos foram necessários, fora uma pesquisa detalhada, para que a restauração fosse feita de forma perfeita. Felizmente, o modelo 1939 voltou à plenitude e, graças a uma inacreditável sorte, ele voltou até a ter um motor. 

Protoype Museum, que coincidentemente também é especializado em mecânica de modelos especiais, havia comprado um motor idêntico (de número de fabricação 38/24) ao do Fusca restaurado e que tinha sido usado em outro carro empregado em testes de velocidade. Ou seja, após ser totalmente reformulado, o veículos ainda recebeu um “motor original”.

E que bela restauração foi feita: os detalhes mais notáveis do exemplar ​​é a dobra vertical do capô, agora arqueado na parte superior, as partes côncavas do para-choque e o sistema de aquecimento interno aprimorado.

Ficou interessado em ver de perto um dos Fuscas mais antigos e valiosos do mundo? O veículo tem lugar de destaque no museu localizado em Hamburgo, na Alemanha.

Restaurado, VW Fusca 1939 se tornou uma joia de R$ 1,8 milhão. Imagem: Prototyp Automuseum/Reprodução

Mesmo tendo sido descontinuado em 2019, o Volkswagen Fusca é, definitivamente, um dos carros de maior sucesso no mundo, com mais de 21 milhões de exemplares produzidos. O Brasil, atrás apenas da Alemanha e dos Estados Unidos (EUA), é o terceiro país onde há mais unidades: cerca de 3 milhões.

Olhar Digital

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui