Itep confirma causa do desabamento que vitimou quatro pessoas em Mãe Luíza

0

O Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) confirmou, nesta quarta-feira (17), que o desabamento ocorrido no bairro de Mãe Luíza, na zona leste de Natal, realmente foi provocado por uma explosão. A conclusão é de que o efeito explosivo foi ocasionado por um acúmulo do gás liquefeito de petróleo (GLP), conhecido como gás de cozinha, em uma das casas. 

O passo a passo da perícia realizada no local do acidente foi apresentado durante coletiva de imprensa nesta quarta-feira. O diretor do Itep, Marcos Brandão, explicou os pontos verificados pelo órgão. “A equipe de perícia verificou que, pelo padrão de explosão, o padrão dos vestígios e o padrão da queima, principalmente em relação à vítima, a explosão foi de baixo para cima, ou seja, começou do chão. O GLP é um gás pesado que se acumula no solo. Como era um ambiente confinado, houve uma concentração de gás que gerou o limite explosivo para o gás. Isso porque, quando o gás chega a uma determinada concentração (entre 1 e 10%), ele se comporta como explosivo, chegando a funcionar quase como um dinamite”, explicou o diretor, em entrevista à TV Tropical. 

Ainda segundo o Itep, o efeito explosivo do gás somado à estrutura precária da casa, que não estava adequada aos padrões de construção, provocou o grande colapso no local. O desabamento, que aconteceu na madrugada do último dia 7 de fevereiro, atingiu cerca de quatro casas e matou quatro mulheres. Um casal de idosos também foi atingido, mas conseguiu sobreviver. 

A perícia do Itep também descartou a hipótese de que a explosão poderia ter sido causada por algum tipo de explosivo, como dinamite, já que a investigação não apontou a presença de nitrato no ambiente. “Todos os vestígios levaram à conclusão de que houve a explosão provocada pela concentração de gás. Agora fica mais difícil determinar o que levou à essa concentração, já que o fogão estava intacto, inclusive o vidro temperado da tampa estava intacto, os botijões estavam intactos. Então pode ter acontecido algum vazamento ou o próprio fogão poderia estar com a boca aberta”, explicou. 

Há a hipótese de que uma das vítimas, moradora da residência onde ocorreu a explosão, estaria dormindo e, após ter inalado grande quantidade de gás, teria desmaiado e ficado inconsciente, não sentindo o cheiro. A vítima estava queimada. O gás, quando começa a queimar, produz calor. Havia uma concentração muito grande de gás no ambiente, inclusive os vizinhos informaram que, desde a meia noite, já sentiam cheiro de gás. Quando concentrado, o gás produz calor e também ondas de choque, que provocam grande destruição. O gás de cozinha possui um cheiro muito forte exatamente para alertar que está tendo vazamento, mas ao que tudo indica a vítima dormia no momento e pode não ter identificado ou até mesmo ficado inconsciente”, destacou.  

Ainda de acordo com o diretor do Itep, a investigação ainda não acabou. “O próximo passo da perícia é tentar identificar o agente ignitor, inclusive podemos até não chegar a ele. Porém faremos mais algumas análises laboratoriais. Vamos analisar os elementos da cena, para ver a questão da parte da instalação elétrica da casa, para tentar mapear aquilo que as circunstâncias possibilitam que sejam mapeadas”, informou Marcos Brandão. 

Portal da Tropical

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui