Jornal Nacional, da Globo, faz editorial com crítica aos ‘negligentes’

0
149

O Jornal Nacional (TV Globo) dedicou os primeiros minutos da edição deste sábado (20.jun.2020) para 1 editorial no qual critica aqueles que foram “negligentes” ou “desrespeitosos” durante a pandemia da covid-19.

O texto foi lido em dobradinha pelos jornalistas William Bonner e Renata Vasconcellos. A inspiração para o editorial foi a marca de 50.000 mortes pelo coronavírus. O número se refere a levantamento de 1 consórcio de empresas de mídia. Oficialmente, segundo os dados do Ministério da Saúde, o Brasil tem 49.976 vítimas da doença.

“A História vai registrar o trabalho valoroso de todos aqueles que fizeram de tudo pra combater a pandemia, os profissionais de saúde em primeiro lugar“, leu Renata Vasconcellos. “Mas a História vai registrar também os que foram negligentes, os que foram desrespeitosos. A História, atribui glória, e atribui desonra, e História fica pra sempre”, concluiu Bonner.

Assista à íntegra do editorial do principal telejornal da Rede Globo:

Leia abaixo ao discurso completo:

“É 1 marco trágico na pandemia: mais de 50.000 mortes. Cinquenta mil. Uma nação se define como a reunião de pessoas que compartilham sentimentos, afetos, laços, cultura, valores, uma história comum. Empatia é a capacidade que o ser humano tem de se colocar no lugar do outro, de entender o que o outro sente. Uma nação chora os seus mortos, se solidariza com aqueles que perderam pessoas queridas. Cinquenta mil. Diante de uma tragédia como essa, uma nação para, ao menos 1 instante, em respeito a tantas vidas perdidas, e é o que o Jornal Nacional está fazendo agora, diante desses rostos que nós temos perdido desde março.

E é 1 sinal muito triste dos tempos que nós vivemos que a gente tenha que explicar essa atitude, não pra maioria do público brasileiro, de jeito nenhum, mas pra uma minoria muito pequena, mas muito barulhenta, pra quem o que nós fazemos, o jornalismo profissional, deveria, se não fechar completamente os olhos pra essa tragédia, pelo menos não falar dela com essa dor. O JN já pediu, você lembra, que a gente parasse pra respirar, porque tudo vai passar. O JN já lembrou que as vidas perdidas não podem ser vistas só como números. E a gente repete mais uma vez: respira, vai passar. A gente repete também: 50.000 não são 1 número, são pessoas, que morreram numa pandemia. Elas tinham família, mães, pais, filhos, irmãos, tios, avós, famílias, tinham amigos, tinham conhecidos, vizinhos, colegas de trabalho, como nós aqui somos. E nós, como nação, devemos um momento de conforto pra todos eles.

E para nós mesmos, porque nós somos uma nação. Como o Bonner disse, tudo isso vai passar. Quando passar, é a História, com H maiúsculo, que vai contar para as gerações futuras o que de fato aconteceu. A História vai registrar o trabalho valoroso de todos aqueles que fizeram de tudo pra combater a pandemia, os profissionais de saúde em primeiro lugar.

“Mas a história vai registrar também os que foram negligentes, os que foram desrespeitosos. A História, atribui glória, e atribui desonra, e História fica pra sempre.”

PODER 360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui