Milícias de caciques espalham terror em aldeias indígenas no Sul; entenda

0

A paz e a tranquilidade em aldeias indígenas no Rio Grande do Sul foram interrompidas por uma série de mortes e emboscadas. Por trás dessa violência estão milícias armadas criadas por caciques para impor o terror a quem se opõe a um esquema de arrendamento de terras.

Em janeiro deste ano, em Água Santa, uma escola virou trincheira em uma guerra interna na Reserva Indígena do Carreteiro. A mesma situação aconteceu em outras localidades.

Os confrontos ocorreram em terras indígenas no norte do estado. Juntas, elas somam mais de 15 mil hectares. Boa parte ocupada pela agricultura. E o motivo da violência são arrendamentos dessas terras indígenas a agricultores brancos. Eles exploram os espaços dentro das reservas para o plantio de soja, trigo ou milho.

O arrendamento é uma prática ilegal e está no Estatuto do Índio. Só que o esquema, segundo indígenas que conversaram com o Fantástico, funciona assim: cacique criam associações ou cooperativas de fachada para supostamente dividir o lucro desses arrendamentos ilegais entre todos da aldeia.

“O dinheiro acaba ficando na mão do cacique. Enquanto isso, o resto da população na miséria, passando fome”, diz o procurador Filipe Andios Brasil Siviero.

“Há formação de milícias privadas nessas reservas. Muitas vezes, o próprio cacique monta seu grupo armado para defender o seu poder do grupo opositor. A maioria dos casos é a disputa pela terra ou pelo dinheiro do arrendamento de terras indígenas”, explica o delegado Sando Luiz Bernardi.

De acordo com um levantamento da Funai, em todo o país há 22 áreas indígenas ainda arrendadas. Três milhões de hectares para o plantio de grãos, cana de açúcar e até para a criação de gado.

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui