Pelé alegou em testamento possibilidade de ter mais uma filha como herdeira; herança é de R$ 78 milhões

A divisão da herança de Pelé deve ganhar um novo capítulo nas próximas semanas. O Rei do Futebol, morto no dia 29 de dezembro, alegou em seu testamento a possibilidade de ter mais uma filha como herdeira, além da sua viúva, Márcia Aoki, seus seis filhos e dois netos. A informação foi divulgada na coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

Pelé respondia na Justiça uma ação de paternidade movida por Maria do Socorro Azevedo, que é representada pela Defensoria Pública de São Paulo e alega ser sua filha, tornando-a também herdeira legítima de Pelé. O Rei não recorreu e decidiu que ia fazer o teste de DNA, mas acabou morrendo antes de realizar o exame, vítima de um câncer no cólon. A herança deixada por ele é estimada em U$15 milhões (R$ 78,1 milhões na cotação atual).

Márcia Aoki contratou o escritório PLKC Advogados para representá-la no inventário de Pelé. Ela se casou com a lenda do futebol em 2016, quando o ídolo da seleção brasileira já tinha 75 anos. De acordo com o Código Civil brasileiro, todas as pessoas acima de 70 anos devem se casar com separação de bens. No testamento, assinado em 2020, Pelé destina 30% de todos os seus bens a Márcia, 60% a serem divididos para os seis filhos e outros 10% para os filhos da sua filha Sandra Regina, morta em 2006, e que ele nunca reconheceu.

Leia mais

Herdeiros de Pelé: conheça os filhos e a herança do Rei do Futebol

Considerado uma lenda do futebol mundial, Pelé conquistou diversos títulos e prêmios, dentre eles, três Copas do Mundo. Segundo publicação da Forbes, em 2014, a fortuna do Rei cresceu US$ 15 milhões, aproximadamente R$ 79 milhões. À época, a revista colocou Pelé na lista dos 10 atletas aposentados mais bem sucedidos do mundo. Não há informações oficiais sobre a fortuna dele atualmente.

Ao longo da carreira, o futebolista atuou profissionalmente apenas em dois clubes: o Santos Futebol Clube, de 1956 a 1974, e o New York Cosmos, de 1975 a 1977. Em 1961, no auge da trajetória, o salário de Pelé veio à tona nas páginas dos jornais: Cr$ 2 milhões, o equivalente a R$ 70 mil nos dias atuais.

Se jogasse hoje, de acordo com estimativas da Forbes, o santista seria o jogador mais bem pago do mundo, com salário anual de US$ 223 milhões, cerca de R$ 1,1 bilhão. Para chegar ao montante, a revista realizou uma comparação entre Pelé e os quatro principais e mais valiosos craques da atualidade: o argentino Lionel Messi, o português Cristiano Ronaldo, o brasileiro Neymar e o francês Mbappé.

Leia mais

Pelé foi tão grandioso que parou até guerra civil na Nigéria

O Rei do futebol, Edson Arantes do Nascimento, faleceu, mas não Pelé, este é eterno. Afinal, legado não morre. O histórico camisa 10 colecionou grandes momentos na carreira e, dentre eles, provocou um cessar-fogo na guerra civil de Biafra, na Nigéria, em 1969.

Cessar-fogo

A Nigéria passava por uma guerra civil, em que a região de Biafra tentava conquistar a independência. O conflito colocou em lados opostos dois grupos étnicos do país: igbo e hausa, que dominavam o governo naquele momento.

Leia mais